quinta-feira, 29 de novembro de 2012 | By: Always Eat Your Bananas

Resenha do livro As Peças Infernais - Anjo Mecânico da Cassandra Clare

Hey, guys... Como vão?
Já faz um tempinho que estou sumida, né? Eu sei! Mas vim aqui para postar a resenha sobre o livro Anjo Mecânico o primeiro da trilogia As Peças Infernais, um prequel da saga Os Intrumentos Mortais, da titia -sente a intimidade-  Cassie Clare. Então, vamos lá.

~le essa capa é diferente da minha D:~

"Tessa Gray tem um anjinho mecânico pendurado no pescoço, um presente de família do qual nunca se separa. O tique-taque do pingente faz com que ela se sinta segura junto à lembrança dos pais que já morreram. Mal sabe Tessa que esse barulhinho muito breve vai se tornar o odioso som de um exército comandado pelas forças do submundo. Com os Caçadores de Sombras e seu recém-descoberto poder sobrenatural, ela enfrentará uma guerra mortal entre os Nephilim e as máquinas do Magistrado, o novo comandante das trevas na Londres vitoriana"

Certo, logo no começo do livro eu tinha uma certeza, só uma: que a autora ia ser bem do mal e eu ia ter um choque perto do final do livro. Dito e feito. Mas não contarei o choque, porque é a magia do livro.
Tessa é uma garota como eu e você -bem eu acho... como eu, até pode ser, mas não sei você-, gosta de ler e vive sonhando com os livros. Ela É obrigada a ir para Londres, pois a Tia que cuidou dela quase a vida inteira faleceu, onde o irmão vive. Chegando a cinzenta Londres, Tessa é sequestrada pelas Irmãs Sombrias, a Sra. Dark e a Sra. Black, que a torturam dizendo que ela tem poderes sobrenaturais e que estão fazendo isso a mando do Magistrado, e é claro, tem o irmão dela, Nathaniel Gray, como refém também, mas escondido dela.
Depois de dias de sofrimento na casa das Irmãs Sombrias, do nada um rapaz parece em seu quarto e a salva, matando uma das Irmãs, a sra. Black Tessa logo descobre que ele é um Nephilim e se chama William Herondale -isso te lembra algo? Se você leu até o Cidade de Vidro, sabe do que estou falando-. Ela passa a viver no Instituto, bem estilo Clary, e começa a conhecer seus moradores. Charlotte e Henry Branwell. Charlotte, na minha visão, é uma mulher a frente do seu tempo. Ela comanda do Instituto sozinha, quando naquela época, só os homens poderiam fazer isso. Henry, eu simplesmente amei Henry, ele tem o estilo cientista-louco-que-nenhuma-das-invenções-funcionam e um ar até inocente. Jessamine Lovelace. Ela é bem do tipo patricinha diva, que mesmo te estressando profundamente em certas partes, ainda consegue te seduzir. James Carstair, um jovem Nephilim que tem um doença que você fica se questionando o livro inteiro até descobrir, e ele é muito seduzente. Não posso negar. E chegamos a William Herondale. Bem, ele tem aquele complexo de Jace, super misterioso e sexy. Mas eu ainda acho ele mais sombrio que o próprio Jace. Porque o Jace era uma criança que teve um educação rígida e já o Will, nós não fazemos ideia do que aconteceu com ele. E no Instituto também tem os criados, que são bem divos na minha opinião, Sophie, Agatha e Thomas, que não são Caçadores das Sombras, mas tem o dom de enxergá-los.

A história se desenrola assim: Tessa quer o irmão de volta. Ela tem o dom de se transformar na pessoa assim que toca em um objeto pessoal. E com isso vem lembranças e como agir igual a pessoa. Ela não aceita, mas ajuda os Nephilim com o poder. Eles desconfiam em quem é o Magistrado e vão atacá-lo. Existem pessoas mecânicas, que não são produção nem de Deus ou do Demônio, então podem ser ainda mais do mal que qualquer outro. Tessa começa a se sentir atraída por Wiil, mas como é 1878 é meio dificil terem um relacionamento a lá Clary e Jace. E eu tenho certeza que James também está se interessando por Tessa.. Bem, vou parar por aqui, senão terá muitos Spoilers e não quero dar nenhum.

O livro é muito bom. Me agradou bastante. Virei fã da Tessa. E olha que pra mim gostar de mocinhas é um problema. Mas Tessa é igual a Boadiceia -rainha guerreira que Will diz para Tessa-, ela quer lutar. Ela também quer seu lugar no mundo e eu acho isso fantástico.

Sempre se deve ter cuidado com os livros, e com o que está escrito neles, pois as palavras têm o poder de nos transformar. - Tessa Gray. pág. 79
E como sempre tia Cassie nos surpreende com um livro muito bom. E cheio de referencias ao Instrumentos Mortais. Como Magnus Bane -que, no meu ver, está bem diferente do Magnus que gosta do Alec- e Camille Belcourt, vampirona diva!

[...] Não sou essa droga, ou a dependência. Acredito que sou melhor que isso. Que minha vida é mais que isso, não importa como e quando possa terminar. - James Carstais. pág. 281

Agora eu lembro, o que estava tentando lembrar no outro dia. Era Blake. "E observo Londres, uma terrível maravilha humana de Deus." MIlton acahav que o Inferno fosse uma cidade, sabe. Acho que talvez seja apenas a entrada do Inferno e nós somos as almas amaldiçoadas que se recusam a passar, com medo de encontrar do outro lado alfo pior do que o horror que já conhecemos. - William Herondale. págs. 373/374

Bom, é isso. Espero que tenham gostado.
XOXO, Amy F.

2 comentários:

La Mademoiselle disse...

Oi,

já li esse livro e também gostei bastante! Ótima resenha!!

Bjs

La Mademoiselle disse...

Oi,

tem selinho para você lá no blog:

http://mademoisellelovebooks.blogspot.com.br/2012/12/semana-54.html#more

Espero que goste!

Bjs

Postar um comentário